apoio

Redução de PSA enquanto preditor de progressão em doentes com cancro da próstata metastizado sensíveis à castração

Redução de PSA enquanto preditor de progressão em doentes com cancro da próstata metastizado sensíveis à castração

Assistant Professor of Medicine na Toulane University, em Nova Orleães, Luisiana, o Dr. Pedro Barata desenvolveu o estudo “Early PSA decline as a predictor of progression in patients with metastatic castration-naïve prostate cancer (mCNPC) treated with abiraterone acetate and prednisone (AA/P)” na transição da Cleveland Clinic para a instituição atual. O trabalho foi aceite na ASCO 2020 na categoria Genitourinary Cancer—Prostate, Testicular, and Penile.

Vídeo

Este projeto surge na sequência de, nos últimos três anos, ter existido “uma emergência de diferentes tratamentos no espaço de doença metastizada sensível à castração”, mostrando que “a intensificação de tratamento comparativamente a hormonoterapia cursa com melhoria de todos os endpoints importantes”, contextualizou o médico oncologista. Uma das combinações – explicou – é de hormonoterapia com abiraterona.


Não existindo preditores de resposta suficientes a este tratamento intensificado, a pergunta que originou o estudo foi “será que o PSA nos consegue ajudar enquanto fator preditivo de resposta?”, esclareceu o Dr. Pedro Barata, complementando que para tal foi identificada uma coorte de 130 doentes sujeitos a tratamento intensificado entre 2017 e 2019, em Cleveland.


Após a avaliação dos resultados, que mostraram a relevância do PSA na gestão dos doentes, o Dr. Pedro Barata concluiu que “o PSA é um marcador que está disponível e poder ser útil ao monitorizarmos doentes tratados com abiraterona e hormonoterapia como forma de predizer o que vai acontecer meses a anos mais tarde e ajudar a ter um plano B e C”.

 

quarta-feira, 03 junho 2020 20:02
Posters


31mai
14:30
Online
31mai
15:00
Online
31mai
20:30
Online
31mai
21:00
Online

Newsletter

Receba em primeira mão todas as notícias